top of page
  • Nova Amargosa FM

Amargosense completa 500 horas de voo pela Bahia e mais de 128 mil fotos aéreas


A paixão por voar, o amor pela fotografia e um carinho especial pela Bahia, levaram o baiano Rui Rezende a fazer mais de 128 mil fotos aéreas dos quatro cantos do estado. Nos últimos dez anos, ele passou aproximadamente 500 horas voando em todo tipo de aeronave, em busca dos melhores ângulos. A bordo de parapente, paramotor, paratracker, balão, flyboat, girocóptero, helicóptero e avião, o fotógrafo atravessou o céu da Bahia, com o objetivo de retratar as belezas do estado visto de cima. Rui sobrevoou desde a capital até as cidades mais remotas. Passou por lugares pouco frequentados, nunca fotografados antes.

Com mais de 23 anos de carreira, o baiano fez registros tanto da flora, quanto da fauna, além das manifestações culturais, costumes e personagens da vida real. Fotografou ainda festas como a de Yemanjá, realizadas em Salvador e em Barreiras. Paisagens como cachoeiras, montanhas e praias. Assim como diversos tipos de meios de transporte, a exemplo de cavalo, bicicleta, trator e navio. O desafio de Rui Rezende agora é terminar de selecionar 300 imagens das mais de 128 mil tiradas para o seu oitavo livro, intitulado Bahia Aérea, que será lançado no próximo dia 10 de Novembro. Na previsão inicial, o livro teria 240 fotos, só que a obra acabou de ganhar 60 páginas, o que possibilitou colocar ainda mais fotos.

A obra também vai trazer Parques Nacionais belíssimos, mas ainda pouco divulgados, como o do Alto do Cariri e do Grande Sertão Veredas. Além da agricultura, desde a familiar ao agronegócio. Bem como feiras livres, portos e aeroportos, estradas, pontes, indústrias e arquitetura típica de cada região. Tudo isso pelo olhar diferenciado do experiente fotógrafo, com o uso dos melhores equipamentos existentes no mundo. Cliques feitos de cima dos quatro cantos do estado. Detalhe: nenhum deles de drone.

O baiano tem como premissa o respeito pelas pessoas e pelos lugares. Apesar das obras de arte pintadas pelas suas lentes, Rui Rezende não gosta de ser chamado de artista. “O artista é Deus, eu sou apenas o retratista”, define o amargosense, sobrevivente de um acidente aéreo.

Sobre Rui Rezende

Rui nasceu em Amargosa, região do Vale do Jiquiriça, onde vendeu limão na feira, teve criação de codornas e também plantou frutas e legumes na fazenda da mãe. Aos 17 anos, se mudou para trabalhar e estudar em Salvador, onde se encantou pela fotografia, ao se tornar funcionário de uma laboratório fotográfico. Na época, a câmera era analógica e a revelação manual (ainda no quarto escuro). Autodidata, Rui aprendeu a fotografar na prática, observando as próprias imagens e criando técnicas. Naquele tempo só era possível ver o resultado das fotos quase 30 dias depois de tiradas. Quando fotografava o interior, ele precisava voltar para Salvador para revelar dezenas de filmes. O amargosense comprou sua primeira câmera em 1999 e a partir de 2003 passou a dedicar-se quase que exclusivamente a fotografia de natureza.

Em 2011, lançou a primeira das suas sete obras. Rui é conhecido pelo olhar minucioso e rigoroso, assim como pelas técnicas usadas na hora da foto. Ele não faz nenhuma intervenção nas suas imagens pelo computador, além de correção de cores e luz.

O retratista é autor dos livros “Amargosa Nossa Terra Nossa Gente”, “Vaqueiros do Raso da Catarina”, “Oeste da Bahia – o Novo Mundo”, “Chapada Diamantina um Paraíso Desconhecido”, “Encantos de Tinharé”, “Cairu – Cidade do Sol” e também da publicação “Unidades de Conservação do Estado da Bahia”. Folhear um livro de Rui Rezende é viajar por lugares fantásticos, vendo as pessoas e a natureza de uma maneira especial.

O livro Bahia Aérea promete e muito e já é esperado por milhares dos seguidores de Rui que têm acompanhado as expedições aéreas do fotógrafo, pelo Instagram @ruirezendefotos.



147 visualizações0 comentário
bottom of page